domingo, 22 de novembro de 2009

Aventuras nos táxis na madrugada.

Usuário forçado dos táxis nas madrugadas dos fins de semana para me deslocar ao serviço, tenho presençiado cada coisa!
Teve uma época que toda vés que embarcava o motorista avisava:
- acabei de ser assaltado.
Ou
- meu colega acaba de ser assaltado.
Só ficavam tranquilos quando notavam meu uniforme e dizia que pretendia descer na av. Protásio Alves e não tinham que entrar em vila nenhuma.
Ultimamente preferem ficar calados. Acho que a história não convençe mais, então é fé em Deus e pé na tábua.
Domingo retrasado fui forçado a pegar um táxi às 5h da matina. Veículo parado no ponto na ipiranga, motorista dormindo na direção, baba escorrendo no canto da boca.
Assustou-se quando abri a porta. Disse-lhe meu destino e ele arrancou o carro aos solavancos, ainda dormindo, creio eu.
Não tardou e não pude deixar de notar: Que fedor de mijo!
Tive que pagar, não tanto pelo cheiro impregnante no interior do veículo, mas por sair vivo daquele carro após três investidas contra o meio-fio.
Hoje tive que me aventurar novamente num táxi, no mesmo ponto. Chovia torrencialmente e a pouco havia saído o último carro levando um casal. Avenida deserta e eu olhando o relógio, 5 horas. Escondido no fundo do ponto um carro liga o motor e os faróis logo me iuminam na escuridão. Encosta na minha frente.
Que sorte, era um táxi!
Entro e, como de praxe, cumprimento o motorista. Não pude deixar de notar o quanto estava quente no interior do carro. Puderá, o condicionador de ar estava no último do aquecimento. Não entendi.
Ele parece não me ver, olhava fixo para o parabrisa e arranca aos solavancos e responde monossilábicamente, sempre fungando.
Achei melhor continuar a viagem quieto.
Não sou trouxa e é claro que dava para desconfiar do motivo, hálias estava no ar, inconfundível, o cheiro de maconha tomava conta do ambiente.
Dei graças a Deus quando desci. Paguei não pelo entorpecente que inalei, mas por sair ileso, após reler mentalmente todos os livros de Sthefen King naquela curta viagem.

Nenhum comentário:

Postar um comentário